Amantes ao mar (poema)



Aquela noite no mar
De suave e morna brisa
Sem procelas e ilusões
Apenas a banhista se ouvia
Braçadas curtas; água serena
Corpo nu refletindo a lua
Mente vagando entremeio estrelas

Resisto; não resisto
Eis o mergulho impensado
Atrás da moça banhista
Que já some distante
Pelo reino de Netuno
Na corrente marinha

Aquela noite no mar
Não havia aflição
Nem insolúveis temores
Nem sorvete derretido
Nem disco arranhado
Mas dois corpos ausentes
Largados na maré
Vagando pela imensidão
Até as costas africanas

Nenhum comentário: