A lua (poema)




A lua que um dia
Surgiu no horizonte
Na noite insone
De um nobre rapaz
É a mesma lua
Que agora revela
Entre muitas estrelas
O meu sentimento


Não fique corada
Que a lua não conta
Nem mesmo entrega
As juras que fiz
Pois saiba que a lua
Contanto que aceite
O amor que lhe dou
Saberá guardar
Palavras inauditas

by Adriano César Curado

2 comentários:

Vitalina de Assis disse...

Hola amigo!

Belo poema!

A lua me encanta sempre e seu brilho, é testemunha de juras e sonhos.

Tenha uma excelente semana.

Esperança disse...

Caro adriano,

Que lindo poema... Fiquei encantada!!! Conheço Goiania uma cidade chamada Abadiania. Não fui ainda em Pirenopolis, mas logo logo passarei por ai.
Amei seu blog, assim que puder passo aqui novamente.

Abraços de luz

Hospital Espiritual do Mundo