Batel



Batel que se lança
Ao mar do infinito
Revolta vida
De ondas encrespadas
De dores imensas
Purificantes lágrimas

***

Parte à procura
Do porto seguro
Da enseada de remanso
Onde possa descansar

***

Batel que procura
Em oceanos bravios
O afago sincero
Dos seres aquáticos
Transcendentais lunáticos
Mas capazes de amar

***

Barquinho de papel
No infinito universo
Naufraga – não naufraga
Vai vencendo a vida
Revolta vida
De ondas encrespadas



by Adriano César Curado

8 comentários:

Esperança disse...

Lindo meu amigo.

abraços de luz

Rafael Castellar das Neves disse...

Excelente!!

Muito bom...

[]s

Andrielly Raquel de Sousa e Silva disse...

Rapaz, que poema lindo é esse, que fala de uma viagem transcendental para dentro de si próprio??!!

♪ Sil disse...

Sem comentários, tão lindo !!

Um abraço Adriano!

MARILENE disse...

Não há outro jeito senão seguir o curso de suas palavras, em dança ritmada e linda.

Simião Silvestre (Verdolengo) disse...

Nooooosa, cara, que poema lindo é esse??!! Adorei, amei, achei diviiino!!!

Úrsula Avner disse...

Olá meu caro, gostei de seu espaço poético... Bonitos versos. Grata pela sua visita, amável comentário e interesse em acompanhar o blog. Um abraço.

Catia Bosso disse...

Aqui a poesia é de gente grande...


Passei pra conhecer e voltarei!

bj

Catita