Noites




o vento do tempo
que assopra lerdo
traz estrelas perdidas
das noites insones
em saudosos momentos


e esse mesmo vento
agora congelante
reaproxima corpos
refunde almas
sob o manto da noite




quando a vida passar
feito a brisa do mar
para outros sonhos
só ficará o vento
que assopra o tempo



3 comentários:

Elisabete Lira disse...

Que bom vir aqui e contemplar suas belas postagens...
Tenha uma linda noite, e uma ótima semana...
Um abraço bem forte...bjus

José Robertto disse...

Thamyris gosta da primeira foto... rs Seu Poema combinou com Anápolis aqui esta congelante

Paula Moraes disse...

Adorei a sua visita e seu comentário, passei aqui para dar uma olhada e adorei seu blog.
Indiquei seu blog para receber o selo POTTERY FRIEND que ganhei da amiga Lena do blog amadeirado. Se quiser pode pegá-lo no meu blog.
Bjs