Não é tão ruim quanto parece!


     Recentemente reencontrei um amigo de infância, que não via há anos. Ele me contou uma história incrível que aconteceu com sua pessoa, no início do ano, e que serve de lição a todos nós. Narrou-me que fora fazer trilha numa mata, sozinho e sem equipamento de segurança. Depois de andar por horas, confiante numa bússola, viu-se repentinamente perdido, sem perspectiva de voltar. Não trazia consigo nada além de um cantil e algum suprimento.

     Para piorar a situação, logo anoiteceu, e na escuridão, contou-me, a beleza da mata se transforma em sombras sinistras. O local em que estava perdido, lembrou-se imediatamente, era conhecidíssimo pela fama de abrigar muitos felinos e cobras. Como desgraça pouca é bobagem, ele não havia avisado ninguém da sua aventura. Simplesmente catou algumas tralhas e saiu por aí, numa demonstração absurda de amadorismo, da qual se arrependeria amargamente.

     Bem, o certo é que, ao se ver naquela situação extrema, seu primeiro impulso foi o desespero. Sentou-se na raiz duma árvore e chorou como uma criança, enquanto seus olhos perscrutavam a redondeza na esperança de vislumbrar algum vulto ameaçador. Havia entendido a besteira feita, colocara-se em risco imenso e agora estava prestes a sucumbir.

     Mas ele resolveu acalmar a mente, respirar com tranquilidade e então mentalizar que acharia a saída dali. Repentinamente, ouviu um galo cantar. Sim, um galo. Então foi na direção do som e deparou com um casebre. Não estava, afinal, num mato deserto, como seu medo lhe sussurrara inicialmente. Ao chegar à pequena habitação, foi recebido por um casal de velhinhos que o acolheu e no outro dia o levou até a cidade. Ao narrar-me esta história fascinante, ele concluiu que, se não tivesse se acalmado, o medo acabaria por matá-lo.

by Adriano César Curado

12 comentários:

Alê disse...

De nada o pânico em situações "escuras"...


Bjka

Cíntia disse...

Já me perdi uma vez numa floresta e tive o mesmo medo, um desespero tamanho que quase enlouqueci. Então fiz igual ao seu amigo, acalmei minha mente e vi que, realmente, não era tão ruim assim. Eu estava a poucos metros do acampamento.

Ricardo Baobá disse...

Todos nós somos, lá no fundo da alma, apenas um amontoado de medos. E temos mesmo que combatê-los, sob pena de vivermos em constante combate contra moinhos de vento. Excelente postagem. Meus parabéns

Fabiano disse...

Acho que se a gene se livrasse dos medos a vida seria muito melhor.

Fernanda disse...

O pânico não tem lugar na mente preparada.

Aninha disse...

Não é só no medo, mas em toda situação na vida temos que ter o autocontrole sobre nós. Fica à mercê das emoções é das piores sensações que tem. Linda postagem, adorei. Beijios.

disse...

Se correr o bicho pega, se ficar ele come. Terrível.

。♥ Smareis ♥。 disse...

Numa situação dessa, a única forma é ter calma, se não as coisas fica mais difícil de resolver.Beijos e ótima semana.

Severa Cabral(escritora) disse...

Tenho medo sim!Do desconhecido,daquilo que não conhecemos além do medo nos dar pavor...
bjssssssssssssssssssss

Viviane Peres disse...

Sem dúvida o medo paralisa. É devastador.
abraços.

Patricia Thomaz disse...

O medo é um dos maiores obstáculos que temos. Ele nos paralisa e muitas vezes nos faz desistir dos nossos próprios sonhos pelo simples fato de arriscar.
Muito bom.Volto. bjo.

Mari ~* disse...

Oie, obrigada pela visita!
Já estou seguindo seu blog, gostei muito! Seus textos são lindos!