O Juízo Final

Pintura no teto da Capela Sistina, Roma

     Noite passada perdi o sono, revirei na cama até tarde, o pensamento nos problemas cotidianos. Daí acordei com a cabeça pesada, meu grogue, com vontade de me demorar um pouco mais no travesseiro. Mas não tem jeito, o escritório me espera. Então tomei uma ducha fria, engoli o café rapidamente e quando já estava para dar partida no carro, eis que me aparece uma senhora que queria ler para mim passagens da Bíblia.

      É um daqueles instantes da vida que a gente não sabe o que fazer. E nem tive tempo de argumentar nada, porque ela já abriu no Apocalipse e começou a prever o fim dos tempos. Eu ali com aquele sorriso ambiente, celular vibrando no bolso, com ressaca de sono, e aquela senhora com serpentes de sete cabeças, rios de fogo, anjos, demônios, livros com selos etc.

      Sabe o que fiz? Nada. Desci do carro, desliguei o celular e resolvi ouvir tudo que ele tinha a me dizer. Durou quarenta minutos a pregação sobre a volta de Cristo e ela concluiu com a certeza de que tais fatos se darão em breve.

      Ao final, ela me agradeceu. Disse que começara sua pregação à cinco da manhã nos terminais de ônibus urbanos mas ninguém, sequer uma pessoa, se dispôs a ouvir tudo que tinha a dizer. Só eu fiz isso por ela.

      Arrematou a coisa ao me dizer que agora poderia voltar para casa, dar atenção ao esposo e filhos, pois sua missão diária estava cumprida, conforme determinado pelo pastor lá da crença dela.

      – Mas amanhã – deixou claro – recomeço minha batalha pela salvação das almas, antes que chegue o Juízo Final.

      Acho que vou sair de casa mais cedo!


Adriano César Curado

18 comentários:

Jaqueline disse...

Bem se vê que você é um espírito evoluído. De minha parte, teria mandado aquela senhora catar coquinho.

Não tenho que ouvir pregações religiosas logo pela manhã, tendo que engolir interpretações bíblicas que podem não ser as minhas.

Acho que cada um deve manter suas crenças dentro de si.

Ainda assim achei nobre sua atitude e paciência.

Beijinhos, meu lindo.

Carol Fernandes disse...

Acho que faria a mesma coisa que você.

Tenho muita dó das pessoas, principalmente daquelas mais ignorantes.

Linda sua postagem.

Bjs de carinho.

Paula disse...

Adriano, você fez bem em dar ouvidos àquela senhora. Temos que respeitas as diferenças. Afinal, cada qual deve ser entendido dentor do seu grau de evolução.

Beijos, querido.

Cíntia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernanda disse...

É nesses momentos que provamos nossa paciência. Boa postagem. Parabéns e um beijo.

Carla Alencastro disse...

Continue a fazer o bem, meu querido, beijinhos.

Cíntia disse...

Fez o bem logo pela manhã.

Meus parabéns.

Beijokinhas.

Aninha disse...

Bela e nobre sua conduta.

(-: Beijinhos.

Lilian disse...

Eu já fui abordada por essas pessoas muitas vezes e nunca tive paciência para ouvi-las.

Você merece um beijão pelo altruísmo.

Fabi disse...

Todos os dias alguém testa os limites da nossa paciência...!

Beijos.

Fernanda Soares disse...

Dessa história de Juízo Final eu quero é distância...! Sei lá se é verdade (rs).

Parabéns pela postagem. Bjkas.

disse...

A compaixão tem que ser exercida sempre. Parabéns pela atitude correta. Beijos.

MARILENE disse...

Rssssssssssss
Eu não conseguiria fazer isso. Não gosto de pregações. Penso que a palavra de Deus temos que buscar, por nós mesmos.
Mas foi um ato de caridade e, no campo espiritual, tem grande valor.

Bjs.

Letícia Arruda disse...

Gostei muito da sua atitude!! Minha mãe sempre me fala que quem não têm tempo pra Deus mesmo que seja por alguns minutinhos do dia, não têm tempo pra mais nada!! Não que eu seja evangelica rsrs por que eu sou catolica !! Obg por ter deixado um recadinho pra mim no meu blog, vou te adicionar nos meus favoritos ta !!
Abração e boa noite :D

blog da Paraguassu disse...

Olá Adriano,
Embora eu seja espírita, respeito todas as religiões e crenças. Sei que o Deus deles é o mesmo Deus nosso. O que muda são as variadas formas de ver e expressar a fé que remove montanhas.
Sendo assim, é sempre um ato de caridade e bondade para com o próximo,
darmos nossa atenção, por pouco tempo que seja, a alguém que julga ter cumprido sua tarefa do dia, lendo trechos da Bíblia para quem encontra pelo caminho. Muitas vezes, não nos custa nada parar para ouvir, como você fez. Imagine se, ao invés de atrasar-se para atender àquela senhora, você tivesse saído e lhe acontecesse algo no trânsito, logo a seguir. Deus nos manda recados de diversas maneiras. Talvez este tenha sido um deles. Por que não acreditar?
Gostei muito de sua postagem.
Um grande beijo.
Maria Paraguassu.

Ricardo Baobá disse...

Adriano, sua atitude perante aquela senhora é dígna de nota de apoio, pela caridade que logo pela manhã se dispôs a fazer.

Piettro Andrade disse...

Esse caso é mesmo o princípio do Juízo Final. Belo texto, meus parabéns.

Gilberto Geraldo disse...

A pintura do teto da Capela Sistina, foi feita por Michelangelo, Rubens veio nasceu um pouco depois.