A poesia nossa de cada dia




     Uma jovem amiga minha, depois de muitas ponderações e dúvidas, tomou coragem e decidiu publicar um livro de poesias. Eu li os versos e achei-os lindos, leves, coloridos e doces. Mas ontem, dia do lançamento, casa cheia, presença de muitos amigos, um crítico literário lá esteve e num discurso inflamado, desses de políticos, atacou feio a moça. Chamou-a, entre outras inverdades, de imatura, sem talento e ignorante.

     A coitada chorou, obviamente, pois sua festa estava arruinada. Ficamos todos perplexos com aquele homem, o dono da verdade. Por isso decidi escrever este texto. Não quero mencionar nomes e nem fazer análise sintática dos poemas.

     Quero apenas dizer que em tudo está a poesia e que não há um padrão universal de expressão da alma. Há poesia na mãe que amamenta o filho, no sussurrar do vento, na chuva que cai, no trabalhador que labuta pesado, no sorriso de uma criança, no suspiro dos apaixonados. A poesia está por aí, derramada no espírito humano, e não nas folhas de um livro.

     Mas a poesia não está na maldade e nem no orgulho, arrogância ou vaidade daqueles que se julgam acima dos outros. Que espécie de ser humano é esse, capaz de tamanha atrocidade?

     A você, minha querida amiga, dedico este texto. Seus versos são muito bons. Só não agradaram porque um livro de poesias é como um espelho ─ os anjos veem nele refletida sua aura celestial, mas os demônios vislumbram ali as formas grotescas da hipocrisia.


Adriano César Curado

8 comentários:

Alê disse...

Adriano,


Com certeza sua amiga tem talento, do contrário, não teria conseguido publicá-lo.
Quanto a esse homem, infelizmente, uma pessoa desprovida de sensibilidade, de leveza, e acima de tudo, de amor, porque como Vc escreveu: poesia está em tudo, nós é que precisamos ter a alma sensível para percebê-la.

À sua Amiga: parabéns! Poucos são os que tem o dom de colocar em palavras, as cores que a alma vê,



Bjka

allmylife disse...

Esses críticos são tão amargos..não sabem sentir versos...viver cada palavra..A poesia está em tudo e em todos basta saber enxergá-la...Gostei mto do texto e aproveito para parabenizá-lo pela bela atitude!

Solange Maia disse...

Adriano...

lamento imensamente o ocorrido... e envergonho-me do ser humano.

sim, a poesia é livre, e linda por essa permissividade... não há regras, não há métrica, não há padrões...

espero nunca cruzar com esse crítico, porque certamente diante dele eu não poderia me calar... faria poesia em seus ouvidos foscos...

à sua amiga desejo que escreva, muito, que voe, que dance, que vente... porque só o que esse crítico conseguiu, foi nos fazer querer ler as palavras... ter seu livro...


beijo grande !!!!

blog da Paraguassu disse...

Olá Adriano,
Ser poeta é redimensionar o mundo à sua volta, com contornos e cores diferentes dos que já existem.
Será que esta criatura que foi grosseiro com a autora do livro consegue atingir esse grau de conhecimento? Na maioria das vezes, as pessoas abrem a boca apenas para se auto-promoverem, sem preocuparem-se com os outros, que pensam diferentemente delas. Concordo com a Alê, que diz que se sua amiga não tivesse talento, não haveria de publicar seu livro.
Portanto, resta o mau-caratismo do "cavalheiro" que se julgou no direito de atacar sua amiga.
Um grande beijo, querido amigo.
Maria Paraguassu.

Verinha disse...

Na escola terrestre todos som,o aprendizes , até os que se consideram sábios.Muita luz!

Aninha Zocchio disse...

Caro Adriano,

As pessoas deveriam ser mais sensíveis as opiniões alheias, aos sonhos, as formas como vêem a vida, com nuances, delicadezas, com olhos de amor.
Sim, devemos fazer criticas construtivas, não ofensas que arrasam por onde passa.
Esse "critico" não deveria estar ali, deveria procurar os estilos dele.
Novamente falo aquela frase essa semana em que Voltaire descreve claramente, que mesmo que não concorde com o que o outro diga, defenderá até a morte o direito de dizê-la.
A sua amiga, desejo que ela tenha esperança e muita alegria por ter a iniciativa de publicar seus poemas. Não se envergonhar dos sentimentos, quando um discordar, ou quando não agradar a alguns"
Abraços!

VÉU DE MAYA disse...

crítico,salvaguardo as excepções consistentes, é quase criador falhado... A poesia não é para definir, mas para comer e viver.
Quem não gosta não come ou não compra...ao visitar o Blogue da Parole, entrei me chamou a atenção o titulo-Tenda das Palavras...entrei e li sua postagem. Carinhoso seu gesto para com a sua amiga. Viva a Vida e a Poesia que é uma forma de expressão livre.

Véu de Maya

VÉU DE MAYA disse...

errata:

crítico, salvaguardo as excepções consistentes, é quase sempre...criador falhado.