À moda antiga



      Creio que estou deslocado no tempo, defasado, fora da sintonia absurda da modernidade. Nestes tempos de cotidiano corrido e amores descartáveis, eu ainda abro a porta do carro, puxo no restaurante a cadeira para mulher, envio flores e bombons nas datas festivas.

      Não me atualizo musicalmente. Ouço Tom Jobim e Vinícius de Moraes, porque antigamente a música era melhor.

      Recuso-me a assistir novela, programas de auditório ou reality show. Sou mais reunir os amigos num sarau regado a boa música e poemas declamados.

      Ainda creio no amor entre as pessoas, na fraternidade que envolve os povos e na vitória do romantismo. Sou otimista e acho até que, no final, o bem vencerá.

      Por isso sou careta, retrô, ultrapassado.

      Afinal, estamos na era dos descartáveis, dos amores fúteis, das relações fugazes. Nada hoje dura mais que o necessário. E muita gente consome diariamente os outros e elas próprias, de maneira descontrolada.

      Na contramão de tudo isso, eu sou um solitário homem à moda antiga.


Adriano César Curado

2 comentários:

A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
Faço de suas palavras as minhas.
Amo MPB.
Saudades das belas músicas.
Grande abraço
se cuida

Anônimo disse...

Ola meu querido
Você não está ultrapassado, você é apenas uma raridade...
E quantas mulheres não sonham com isso?
Lembrei a música do Roberto...
'Eu sou aquele amante à moda antiga do tempo que ainda manda flores..."
Obrigada por suas visitas e comentários, desculpe minha ausência, falta tempo...Mas estou aqui lendo esse post lindo e me emocionando com você. Quanto a minha postagem que você comentou é minha sim. As poucas que posto que não são minhas menciono o autor.
Retorne...
Lhe espero sempre!
Um abraço poético!