Estômago



     Quem já assistiu o filme brasileiro chamado Estômago? Para mim é dos melhores filmes nacionais. Conta a história do imigrante nordestino que chega à cidade grande em busca de trabalho. Aprende a profissão de cozinheiro e desenvolve um talento surpreendente para a culinária exótica.

      Um dia, vai parar na prisão, um mundo terrível e dominado pela lei do mais forte. Em sua cela a hierarquia é determinada pela posição das beliches. Quanto mais alto dormia a pessoa, mais graduada era ela. Lá no último andar de camas, apenas o chefão. Ocorre que, de dentro da cela, Nonato começa a aplicar seus conhecimentos culinários. E a cada prato maravilhoso que inventa, dorme ele uma beliche acima.

      Menciono esse filme para contar um fato inusitado que ocorre atualmente em minha família. Uma prima casou com um talentoso cozinheiro e começaram a frequentar as reuniões e festinhas familiares. A cada novo encontro, ele saca da cartola uma mágica espetacular, que geralmente é um prato que combina os itens que têm ali na cozinha e mais uns temperinhos que trouxe da Europa.

      Resultado, eles são chamados para todos os eventos. Hoje, se não aparecem, a festa não é a mesma. Já teve caso até de alguém buscar o moço em casa, já de pijama, para incrementar um aniversário.

      Conto isso para comprovar minha tese de que, no fundo, todos somos regidos pelo estômago.

Adriano César Curado

Um comentário:

Miriam da Estrada disse...

É pelo estômago que todos somos fisgados, e isso vai desde casamentos até atividades profissionais.

Adorei sua postagem.

Beijos.