Disney Nazista



Antes de Oliver Hirschbiegel e Roland Emmerich, a Alemanha já teve um cineasta conhecido como o "Walt Disney alemão". O trabalho desse profissional do entretenimento é conhecido até hoje e foi marcante para a história do país. Só que, ao contrário do que pode parecer, o talento desse animador não foi usado para fins nobres - muito pelo contrário.

Hans Fischerkoesen nasceu em 1896 e começou sua carreira trabalhando como operador de rádio na Primeira Guerra Mundial. Com o fim da guerra, ele passou a se dedicar à produção de comerciais em vídeo. Suas peças publicitárias sempre tinham alguma pequena história, o que encantava os espectadores e os empresários, que comemoravam as vendas dos produtos.


Com o começo da Segunda Guerra, muitos dos artefatos que Hans vendia em seus comerciais se tornaram artigos de luxo, o que representou uma aparente decadência em sua carreira. E foi nesse momento que seu trabalho tomou rumos diferentes.


Um dos espectadores mais fiéis dos comerciais de Hans era Joseph Goebbels, Ministro de Propaganda do governo nazista. Ele sabia que Hitler queria produzir filmes educativos nos estilo das animações de Walt Disney, e contratou Hans para fazer esses filmes, passando a ideologia do nazismo de forma lúdica.

Hans Fischerkoesen produziu então, junto com Horst von Möllendorf, que era cartunista de um jornal de Berlim, três animações que ficaram conhecidas como suas produções mais importantes e mais sofisticadas.


"Weather-beaten Melody" (1942) conta a história de uma vespa que descobre uma vitrola antiga e consegue fazê-la funcionar com ajuda de seu ferrão. O filme tem como intenção mostrar a bravura da vespa - que também tem características humanas como espírito aventureiro, competência e esperteza. Era uma tentativa nazista de reforçar alguns ideais de comportamento e conduta.


Em "The Snowman" (1943), o protagonista (um boneco de neve) decide se esconder em um freezer para esperar por temperaturas melhores. Quando ele sai, no mês de julho, ele acaba derretendo. Muitos personagens do filme são retratados na forma de animais (um coelho, um cachorro, uma joaninha), mas são, na verdade, exemplos de personagens humanos que seriam metáforas dos nazistas.

E na trama de "The Silly Goose" (1944) um ganso bobo vai para além de suas fronteiras e encontra uma raposa. A raposa, esperta, que explora os outros animais e os trata como escravos, em um momento é relacionada ao povo judeu. Mas, na verdade, faz muito mais sentido a comparação da atitude dela com a dos nazistas, que exploravam os prisioneiros nos campos de concentração.

Todos os filmes eram mudos, não tinham diálogo algum. O objetivo de Hitler era que eles atingissem também o público do leste europeu. Acredita-se que os filmes continham mensagens subversivas e subliminares que na realidade mostravam uma resistência ao nazismo (por exemplo, na música proibida - o jaza - de "Weather-beaten Melody", na ansiedade por dias melhores de "The Snowman" e na conduta insubordinada do ganso em "The Silly Goose").

Com a derrota da Alemanha na Segunda Guerra, Hans Fischerkoesen foi preso em um campo de concentração como colaborador do nazismo. No entanto, ele manteve a criatividade mesmo nessa situação, desenhando retratos dos soldados soviéticos que conviviam com ele. O cineasta acabou sendo solto e voltando a trabalhar em seu país como publicitário.

Fonte site Yahoo! Contributor Network

Abaixo, veja os links para os filmes:

The Snowman (1944)

Weather-Beaten Melody (1942)

Das Dumme Gänslein (1944)


*  *  *

Nenhum comentário: