O milionário e o carroceiro

Tenho um amigo de longa data a quem muito prezo e com quem sempre pude contar em todos os momentos. Ele é rico, muito rico, e embora faça caridades, ajude instituições com doações generosas, ele tem um defeito monstruoso que não concordo: gosta de humilhar pessoas. Ou pelo menos gostava, depois do que ocorreu. Vou contar aqui.

O fato se deu na rodovia BR-153, entre as cidades goianas de Anápolis e Goiânia. Íamos para a capital participar de uma reunião de negócios, ele na direção da Land Rover novinha, de menos de semana de uso, ao lado a esposa que é socialite e no banco de trás eu, com um laptop no colo, dando uma última revisada no texto da minha palestra na reunião. A viagem transcorria tranquila, Tom Jobin com sua voz suave no ambiente, quando o carro dá uma freada brusca e vai para o acostamento. Assustei-me porque não prestava atenção na estrada e o computador caiu por entre minhas pernas.

— Que houve? — indaguei assustado porque achei que houvesse estourado um pneu.
— Vou curtir com a cara daquele carroceiro ali.

Ainda meio que me refazendo do susto, olhei para frente e vi a uns cinquenta metros de nós um senhor de chapéu na cabeça que conduzia uma carroça bem lentamente.

— Não faça isso — tentei convencê-lo —, deixe o pobre homem em paz.

Era o mesmo que falar com uma porta, ele não me ouvia nunca. Ficamos ali um tempinho porque a carroça não mudou o ritmo, mas quando passava por nós, meu amigo baixou o vidro do lado da esposa e disse:

— Parei aqui para dar uma olhada na sua cara de pobre. Eu sou rico, tenho este carrão aqui e você é um miserável que anda de carroça. Sinto vontade de rir da sua falta de sorte.

Eu quase derrubei a cara de tanta vergonha. Não gosto que façam isso com os outros, ninguém deve sofrer humilhações. Mas ao contrário do que pensei que ocorreria, o carroceiro não continuou a viagem. Freou a carroça, deu um tapa da aba do chapéu para trás, chupou duas vezes o cigarro de palha e depois, olhando bem demorado para seu interlocutor, respondeu:

— De fato, vejo que o senhor tem mais dinheiro que eu, mas se engana ao me chamar de miserável. Estou todo molhado porque acabei de me banhar ali no rio limpinho. O senhor já fez isso: Daqui a pouco chego em casa e a minha esposa me espera com um almoço especial que só ela sabe fazer, e ainda me recebe com um beijo. A sua esposa faz isso: Olha para o senhor. Tem que trabalhar mais que meu cavalo para dar conta de manter o carrão, os luxos da sua esposa que usa roupas caras e tem esse telefone de passar o dedo que não deve ter sido barato. Moro da minha terra, ganho pouco e gasto pouco e sou feliz assim. Não troco minha vida pela sua nem um segundo. Agora se me dá licença, vou-me embora com a minha cara de pobre porque a sua de rico perdeu o sorriso de ironia.

O carroceiro se foi na toada lenta e nós ainda ficamos um bocado de tempo ali parados, silêncio no ambiente, nem Tom Jobin cantou mais. A esposa do meu amigo quis chorar de nervosa, queria saber se o marido pensava aquilo mesmo dela, se estava sendo um fardo na vida dela.  Ele aproveitou para reclamar das ausências, do excesso de redes sociais e das festas da socialite. Eu fiquei na minha, voltei ao texto que lia.

Ou seja, perdeu a chance de ficar calado.

Adriano Curado

Nenhum comentário: