7 de setembro

Nunca votei no Partido dos Trabalhadores, nem em Lula nem em Dilma, mas confesso que torço para que ela consiga resistir no cargo. É que as consequências de sua saída, quer voluntária quer forçada, será mais catastófica ainda para o Brasil. Falo do fator econômico. O País está doido para crescer e se desenvolver mas a crise econômica-político-social não deixa.

No Desfile de 7 de Setembro, a Presidente do Brasil deu mostras de seu enfraquecimento político ao não permitir que o povo se aproximasse de sua pessoa. E para isso mandou isolar a Esplanada dos Ministérios com tapumes de alumínio e assim se manter distante das 20 mil pessoas que lá foram.

Quando um rei necessita manter os súditos longe da coroa através da força militar é porque a coisa está já fora de controle. Medo de vaia? Se o show não está a contento, a vaia é necessária para afinar os instrumentos. Sem apoio do Congresso Nacional e do povo brasileiro, a presidente Dilma Rousseff protagoniza uma lamentável novela em que é a vilã e, por incrível que possa parecer, o mocinho da trama.

Adriano Curado

Nenhum comentário: